Síndrome de Burnout: um mal silencioso no ambiente de trabalho!

Síndrome de Burnout : existe de fato uma relação com os acidentes de trabalho e as doenças ocupacionais?

Confira esta e outras informações de SST no jornal SINTESP

No decorrer do artigo falaremos a respeito dessa relação, visto que se o trabalhador não está em perfeitas condições de saúde, o risco de acidentes aumenta de forma considerável.

Síndrome de Burnout
Síndrome de Burnout: estado de esgotamento mental decorrente do trabalho.

Mas afinal de contas o que é a Síndrome de Burnout?

Ela pode ser definida como um distúrbio psíquico de caráter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intenso.

Segundo Herbert J. Freudenberger é um estado de esgotamento físico e mental cuja causa está intimamente ligada à vida profissional.

Então se está ligado à vida profissional é claro que tem relação direta com os acidentes de trabalho e também com as doenças ocupacionais.

Quando foi descoberta a Síndrome de Burnout e quais são as características principais?

A Síndrome de Burnout surgiu no início dos anos 70 e o próprio psicanalista alemão Freudenberger constatou esta síndrome a partir de si mesmo.

Ele percebeu também que seria o desejo de ser o melhor e sempre demonstrar alto grau de desempenho, além disso, o portador de Burnout mede a autoestima pela capacidade de realização e sucesso.

O que tem início com satisfação e prazer termina quando esse desempenho não é reconhecido. Nesse estágio, a necessidade de se afirmar e o desejo de realização se transformam em obstinação e compulsão.

O paciente nesta busca sofre, além de problemas de ordem psicológica, forte desgaste físico, gerando fadiga e exaustão. 

Os 10 estágios da Síndrome de Burnout:

  • Dedicação intensificada – com predominância da necessidade de fazer tudo sozinho e a qualquer hora do dia (imediatismo);
  • Descaso com as necessidades pessoais – comer, dormir, sair com os amigos começam a perder o sentido;
  • Aversão a conflitos – o portador percebe que algo não vai bem, mas não enfrenta o problema. É quando ocorrem as manifestações físicas;
  • Reinterpretação dos valores – isolamento, fuga dos conflitos. O que antes tinha valor sofre desvalorização: lazer, casa, amigos, e a única medida da autoestima é o trabalho;

E mais:

  • Negação de problemas – nessa fase os outros são completamente desvalorizados, tidos como incapazes ou com desempenho abaixo do seu. Os contatos sociais são repelidos, cinismo e agressão são os sinais mais evidentes;
  • Recolhimento e aversão a reuniões (recusa à socialização; evitar o diálogo e dar prioridade aos e-mails, mensagens, recados etc);
  • Despersonalização (momentos de confusão mental onde a pessoa não sente seu corpo como habitualmente. Pode se sentir flutuando ao ir ao trabalho, tem a percepção de que não controla o que diz ou que fala, não se reconhece). Mudanças evidentes de comportamento (dificuldade de aceitar certas brincadeiras com bom senso e bom humor);
  • Tristeza intensa – marcas de indiferença, desesperança, exaustão. A vida perde o sentido. Vazio interior e sensação de que tudo é complicado, difícil e desgastante;
  • Colapso físico e mental;
  • Esse estágio é considerado de emergência e a ajuda médica e psicológica se tornam uma urgência.

Sintomas da Síndrome de Burnout

Os sintomas são variados: fortes dores de cabeça, tonturas, tremores, muita falta de ar, oscilações de humor, distúrbios do sono, dificuldade de concentração e problemas digestivos. Segundo Dr. Jürgen Staedt, diretor da clínica de psiquiatria e psicoterapia do complexo hospitalar Vivantes, em Berlim, parte dos pacientes que o procuram com depressão são diagnosticados com a síndrome do esgotamento profissional. O professor de Psicologia do comportamento Manfred Schedlowski, do Instituto Superior de Tecnologia de Zurique (ETH), registra o crescimento de ocorrência de “Burnout” em ambientes profissionais, apesar da dificuldade de diferenciar a síndrome de outros males, pois ela se manifesta de forma muito variada: “Uma pessoa apresenta dores estomacais crônicas, outra reage com sinais depressivos; a terceira desenvolve um transtorno de ansiedade de forma explícita”, e acrescenta que já foram descritos mais de 130 sintomas do esgotamento profissional.

O que leva a desenvolver esta Síndrome?

Burnout é geralmente desenvolvida como resultado de um período de esforço excessivo no trabalho com intervalos muito pequenos para recuperação. Pesquisadores parecem discordar sobre a natureza desta síndrome. Enquanto diversos estudiosos defendem que Burnout refere-se exclusivamente a uma síndrome relacionada à exaustão e ausência de personalização no trabalho, outros percebem-na como um caso especial da depressão clínica mais geral ou apenas uma forma de fadiga extrema (portanto omitindo o componente de despersonalização).

Indiscutivelmente não podemos negar que o cenário social também contribui e muito para o surgimento dessa Síndrome.O nível elevado de desemprego e a falta de valorização profissional é um dos maiores problemas que nós brasileiros enfrentamos atualmente. Além disso, uma empresa que não se preocupa com a SST também não valoriza o humano em sua totalidade.

Dicas importantes que são aplicadas nas empresas Prolife Engenharia e eSocial Brasil que contribuem para o não surgimento dessa síndrome :

  • Oração e momento de espiritualidade antes de iniciar as atividades;
  • Empatia ao tratar as pessoas;
  • Valorização pessoal e profissional;
  • Feedback individual e elogio coletivo, visando sempre o trabalho em time;
  • Motivação pessoal para instigar a capacidade;
  • Motivação correta para um pensamento positivo;
  • Exaltação de confiança por parte da chefia facilitando o acesso;
  • Dinâmicas de grupo, treinamentos e momento de lazer entre os funcionários;
  • Fazer todo o trabalho com amor.
Síndrome de Burnout
O ambiente de trabalho agradável faz toda a diferença!

A principal arma para combater os acidentes chama-se valorização da vida!

Uma vez que trabalhamos a favor da vida, não podemos deixar que as sementes de negativismo atrapalhem a “nossa colheita”.

Inquestionavelmente a melhor forma de evitar os acidentes é trabalhar a valorização da vida.

De nada vai adiantar os procedimentos de segurança e as normas vigentes, se a empresa não preocupa realmente com a vida de seu trabalhador.

As diversas síndromes existentes, só servem para nos mostrar que existe algo muito diferente e errado em relação ao ser humano. Será que estamos fazendo a nossa parte de verdade?

Como você tem tratado o seu colega de trabalho? Notou atitudes diferentes nele? Então pare, reflita e seja a diferença que você espera!

Fonte de consulta

Autora: Maria Lima/Técnica de Segurança do Trabalho e Gestora Ambiental

Saiba mais

Prolife e eSocial Brasil, empresas que trabalham com amor pela vida

Os melhores vídeos de SST e eSocial da atualidade

Rodrigo Oliver
Sou Engenheiro de Segurança do Trabalho e Higienista Ocupacional, daqueles que estão sempre falando de segurança, então a ideia é compartilhar com vocês as coisas que acredito e que têm possibilitado um grande sucesso na nossa empresa. Aqui são dezenas de pessoas trabalhando para encontrar a solução mais incrível na redução dos acidentes de trabalho e das doenças ocupacionais.