FIM DA SST: COMO SERIA O MUNDO SEM ELA?

Fim da SST: A Segurança do trabalho pode ser caracterizada como um conjunto de medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais além de garantir a integridade do trabalhador.

Mas tem quem acredite que a SST serve apenas para inglês ver, uma mera burocracia governamental interessada apenas em números em vez de preocupar realmente com a segurança no ambiente de trabalho. Por isso é comum pensar que se caso ela não existisse nada seria afetado.

Você já se perguntou como seria com o fim da SST?

Profissionais da área de SST em algumas situações não são “bem-vindos” ao ambiente de trabalho, principalmente nas áreas industriais.

É notável a presença de certa resistência quanto aos TST bem como é comum ver alguns adjetivos de certo modo considerados até cômicos, direcionados a esses profissionais, tais como: chatos, para obra, fiscal, desocupado dentre muitos outros.

Adjetivos esses muitas vezes direcionados aos TST mediante ao seu cumprimento do seu trabalho

O qual consiste em certificar que todas as medidas preventivas para evitar acidentes sejam tomadas, e também que a saúde do trabalhador não seja afetada pelas atividades realizadas.

E para o cumprimento do seu trabalho é necessário ter uma preocupação de que todos estejam exercendo as suas atividades de forma segura, em um ambiente que não apresente risco.

Quais os impactos que o fim da sst causaria ao ambiente de trabalho? 

De fato com o fim da sst, tudo se tornaria um caos. Todos iriam realizar os procedimentos da forma que fosse mais conveniente. O que resultaria em muitas dores de cabeça.

E se eu te dissesse que o SESMT é uma “mãe” dentro do ambiente de trabalho, você acreditaria?

Você deve estar com uma pulga atrás da orelha, não é mesmo? Esse é o objetivo.

Se o trabalho dos profissionais de SST consiste em garantir a segurança do colaborador, que de certo modo é pensar no bem dele. Porque toda essa implicância com esses profissionais?

Quem nunca ouviu essa expressão: “Se eu chamo sua atenção ou te oriento a fazer algo diferente é porque me preocupo com você, pois se não me preocupasse não faria questão de te alertar.” Suou familiar? Pois é. 

Quem nunca ouviu a mãe ou familiares reproduzindo uma frase com esse mesmo sentido?  A família é a base de tudo, e certamente deseja apenas o bem.

E se eu te dissesse que TST é uma mãe dentro da obra, agora você acreditaria?

De certo modo é, uma vez que orienta ou adverte não é por implicância, mas por se preocupar com a saúde e segurança e prezar por sua integridade.

Mas se a Segurança do trabalho é tão importante, porque existem tantos acidentes de trabalho?

Indiscutivelmente o índice de acidentes de trabalho é assustador, segundo os dados do Observatório de Segurança e Saúde no trabalho ocorrem cerca de 620 mil acidentes por ano no Brasil.

Se bem que essas estimativas são referentes apenas aos dados que são realmente registrados, fora que ainda existem os dados que são colocados debaixo do tapete, que poderiam até dobrar as estatísticas.

E a quem cabe a responsabilidade pelos acidentes?

Logicamente existem profissionais de SST e profissionais de SST.

Todavia não cabe apenas a eles a responsabilidade pela prevenção de acidentes, uma vez que vale mais um colaborador conscientizado do que uma montanha de EPI. Sendo assim é necessário que todos tenham em mente a importância da sua própria vida, e as consequências que a falta de segurança pode acarretar.

Trago um ditado popular que ilustra bastante a discussão desse artigo. “Ruim com eles, pior sem eles.”

Ademais, é de extrema importância preocupar-se e prezar pela saúde e segurança, além de procurar fazer a sua parte.

Visto que não podemos ter a inocência de achar que vamos mudar o mundo, embora de forma alguma podemos ser omissos e contribuir para que o mundo continue da mesma forma.

 E este é o diferencial da Prolife engenharia, estamos preocupados em encontrar a solução mais incrível para a redução de acidentes, uma vez que nada se compara a vida.

Autora: Nicole Gurgel/Graduanda em Educação Física pela UFOP/ Setor de Planejamento Prolife Itabirito.

Estados com maiores índices de acidentes de trabalho no Brasil

SST no eSocial: onde estão os profissionais da “velha-guarda”?

Oratória na SST: potencialize seus treinamentos

Rodrigo Oliver
Sou Engenheiro de Segurança do Trabalho e Higienista Ocupacional, daqueles que estão sempre falando de segurança, então a ideia é compartilhar com vocês as coisas que acredito e que têm possibilitado um grande sucesso na nossa empresa. Aqui são dezenas de pessoas trabalhando para encontrar a solução mais incrível na redução dos acidentes de trabalho e das doenças ocupacionais.