Como analisar um acidente de trabalho de maneira correta?

Qual a finalidade de analisar um acidente de trabalho?

Sabemos, ou pelo menos deveríamos saber que a finalidade de se analisar um acidente do trabalho não é encontrar um culpado, mas prevenir que acidentes parecidos ocorram novamente, identificando as falhas na organização que permitiram que isso acontecesse.

Como deve ser descrita a análise de um acidente de trabalho?

O acidente deve ser descrito, esclarecendo principalmente as características que estavam presentes na organização e contribuíram para que ele ocorresse.

Todavia, esse fator esse muito ignorado, e muitas pessoas acabam focando no que não existia e que se existisse o acidente poderia ter sido evitado, ou no descumprimento de regras o que torna essa análise totalmente tendenciosa.

Quais erros devem ser evitados ao analisar um acidente?

Não se deve tratar a legislação como check list de causas de acidente, nunca conduza a análise dessa forma, isso impede que a análise gere algum aprendizado para a empresa.

Geralmente quando isso é feito a investigação é interrompida no momento que é identificado algum desvio de norma, regra ou procedimento por parte do trabalhador, isso reforça a culpabilização das vítimas e deixa de lado as razões associadas à organização.

Mas então como analisar um acidente da maneira correta?

Uma boa abordagem para o acidente seria conhecer as estratégias que os trabalhadores utilizam para se regular perante as dificuldades para desenvolver sua atividade, ou seja, as estratégias para se fazer o trabalho, que convenhamos nunca é feito da forma que é descrito na instrução da tarefa.

Vale ressaltar que tarefa e atividade são coisas diferentes.

Para analisar de forma assertiva é preciso conhecer:

  • Os meios usados pelo trabalhador, quanto mais precário o meio maior a chance do acidente ocorrer.
  • Quais as perturbações existentes no desempenho da atividade, seja ela rotineira ou incidental.
  • As características do sistema capazes de fragilizar as estratégias que o trabalhador adota, como por exemplo, inexperiência, agentes ambientais como calor, ruído, clima, pressões de tempo e produção e até mesmo rotatividade de colegas de trabalho em tarefas que necessitam de colaboração.
  • Esclarecer o processo de tomada de decisão da gerência da empresa no que se diz respeito às estratégias adotadas. Esse diálogo entre a análise de acidentes e das atividades só tende a trazer benefícios às empresas.
  • Devemos superar esse paradigma da culpabilização e partir para a associação da atividade à investigação dos acidentes.

Para contornarmos esse gap entre a tarefa e atividade e consequentemente a resolução de problemas organizacionais é necessário que 

  • Haja envolvimento efetivo dos trabalhadores e sua formação para a resolução de problemas;
  • Liderança forte de projeto;
  • Flexibilidade organizacional, inclusive no que se diz respeito a decisões estratégicas;
  • Criar metas e ações consistentes
  • Não podemos esquecer o medo, a incerteza, o sofrimento e a incapacidade de manter atenção o tempo todo, afinal os trabalhadores são seres humanos.

Mudar a forma de conceber o homem e a segurança é um dos maiores desafios na prevenção de acidentes no trabalho!

Autor: Guilherme Lage / Graduando em Saúde e Segurança do Trabalho.

Saiba mais:

O que devemos fazer para evitar acidentes no lar?

Prevenção de Acidentes: apenas um “Oi” pode mudar tudo

Pôsteres soviéticos: O medo evita acidentes?

Acidentes Fatais: Prevenir é melhor do que remediar!

Rodrigo Oliver
Sou Engenheiro de Segurança do Trabalho e Higienista Ocupacional, daqueles que estão sempre falando de segurança, então a ideia é compartilhar com vocês as coisas que acredito e que têm possibilitado um grande sucesso na nossa empresa. Aqui são dezenas de pessoas trabalhando para encontrar a solução mais incrível na redução dos acidentes de trabalho e das doenças ocupacionais.