Plano de ação: Como monitorar e a medir as medidas de prevenção?

O que fazer com o plano de ação?

Com o plano de ação em mãos, saiba que a NR 1 exige a manutenção dos registros que demonstrem o desenvolvimento e a execução das medidas de prevenção contidas no plano de ação.

Estes registros podem ser apresentados de várias formas, sinta-se livre para utilizar fotos, vídeos, atas de reunião, listas de presença, relatórios de inspeção ou qualquer outro tipo de registro que prove que o plano esteja sendo seguido conforme o cronograma.

E se o plano de ação não estiver sendo eficaz?

E se perceber que as medidas tomadas não estão sendo eficazes, essas devem ser corrigidas, adaptadas e melhoradas sempre que identificar sua ineficácia.

Não podemos esquecer do acompanhamento à saúde ocupacional dos trabalhadores, por meio do PCMSO, integradas com as demais medidas de prevenção de SST, de acordo com os riscos que cada um está exposto.

Quer saber mais sobre o PCMSO? Veja esses artigos:

O que é e qual a diferença entre PPRA e PCMSO?

PCMSO: O que é e para que serve?

Significado de PCMSO,o que você sabe a respeito?

E quanto aos terceirizados?

Todas as ações de saúde dos trabalhadores terceirizados também deverão estar integradas às medidas de prevenção da organização contratante. Como por exemplo dentro da CIPA, dos DDS, da ginástica laboral e outros.

Como proceder no plano de ação quando ocorrer acidentes?

Obviamente quando ocorrer acidentes eles deverão ser analisados e, se necessário, as avaliações de riscos feitas anteriormente deverão ser refeitas, para evitar que o mesmo tipo de acidente ocorra novamente.

Ademais toda a análise deverá ser documentada e deverá considerar as situações que culminaram no acidente ou no adoecimento, levando em conta a atividade real, o ambiente de trabalho, os materiais e a organização da produção e do trabalho, a identificação dos fatores relacionados ao evento, bem como o fornecimento de evidências.

E em situações de emergência?

A norma também trata da preparação para situações de emergência.

A organização deve estabelecer, implementar e manter procedimentos de respostas aos cenários de emergências, de acordo com os riscos e as características das atividades desempenhadas.

O GRO também determina que a organização estabeleça, em seu procedimento de emergência, os meios e os recursos necessários para primeiros socorros, encaminhamento de acidentados, bem como as medidas necessárias para os cenários de emergências de grande magnitude.

Quais são as ações necessárias para situações de emergência?

Para que o procedimento de resposta à emergência seja executado conforme planejado, algumas ações são necessárias:

  • Passo a passo das atividades a serem realizadas na eventual situação de emergência;
  • Treinamento dos envolvidos;
  • Testes e exercícios periódicos para avaliar a capacidade da resposta ao que foi planejado;
  • Avaliação do desempenho e, se necessário, revisão do procedimento, inclusive após o teste e após a ocorrência de situações de emergência;
  • Comunicação e informação relevante a todos os trabalhadores, visitantes, contratados, autoridades e, quando for o caso, comunidade local.

Autor: Guilherme Lage / Graduando em Engenharia de Saúde e Segurança do Trabalho.

Saiba mais:

Desmistificando o GRO: Medidas de controle de risco

Identificação e Avaliação de Riscos do GRO

Quais são as suas características do GRO?

Rodrigo Oliver
Sou Engenheiro de Segurança do Trabalho e Higienista Ocupacional, daqueles que estão sempre falando de segurança, então a ideia é compartilhar com vocês as coisas que acredito e que têm possibilitado um grande sucesso na nossa empresa. Aqui são dezenas de pessoas trabalhando para encontrar a solução mais incrível na redução dos acidentes de trabalho e das doenças ocupacionais.