Quais as diferenças entre alta e baixa tensão?

Já se questionou sobre sobre as diferenças entre alta e baixa tensão?

Para atender as demandas dos clientes, você sabia que as distribuidoras precisam adaptar e se atentar as se atentar às especificidades da rede e da tensão.

Afinal, é preciso respeitar as diferenças técnicas para que todos os clientes sejam atendidos de forma integral. Para compreender como esse processo funciona, é preciso entender as diferenças básicas da baixa e alta tensão.

Qual o caminho a energia de alta e baixa tensão percorre?

A energia que sai das Usinas geradoras e chega até sua casa, passa por um longo caminho.

Por isso, para evitar perdas nesse trajeto, o nível de tensão é elevado. Isso acontece para dar mais fluidez e segurança à esse percurso. Assim, essa energia vai fluir das centrais geradoras até os centros de distribuição.

Portanto, é preciso entender que esse aumento do nível da energia é uma premissa técnica, que reduz as perdas e permite o transporte dessa energia até os centros urbanos.

Para isso, existem as subestações.

São elas que atuam nesse processo de regular a baixa e alta tensão. Assim, elas vão reduzindo o nível de tensão da energia elétrica até chegar ao nível dos clientes. Hoje, existem dois tipos: aqueles que recebem energia na baixa tensão, e aqueles de maior porte, que consomem a energia da chamada alta tensão – apesar de também existirem ajustes para essa categoria.

Porque existe diferença entre alta e baixa tensão?

Todo o cliente antes de se conectar à rede, precisa ser submetido à uma avaliação pela distribuidora para que seja identificado o seu nível de tensão.

Assim, é necessário apresentar um projeto que compreenda o levantamento de carga, e que especifica a quantidade que ele consumirá de energia elétrica.

Além disso, também é avaliado o tipo de equipamento que será operado nessas empresas.

Pois, na maioria das vezes, estamos falando de equipamentos que consomem muita energia.

Depois disso, a distribuidora pode enquadrar ou não o cliente em determinada faixa com base em sua demanda solicitada. Dependendo dessa avaliação, pode ser necessária a inclusão de um transformador.

Dessa forma, seria impossível, por exemplo, clientes residenciais serem atendidos em alta tensão. Pois possuem cargas baixas e a Distribuidora que fará o devido enquadramento. Assim como, uma empresa de grande porte, com um determinado nível de carga, não poderá ser atendida em baixa tensão.

E como a energia chega em nossas casas?

É por meio de um equipamento chamado transformador que isso se torna possível. Em uma definição técnica, o transformador é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência elétrica de um circuito a outro.

Ele faz isso induzindo tensões, correntes e/ou modificando os valores das impedâncias elétricas de um circuito elétrico. Em regra geral, ele é utilizado para abaixar o nível da energia.

Isso acontece, pois, quando a subestação reduz o nível , essa energia ainda fica acima do que a baixa tensão necessita.

Por isso, é necessário que a rede de alta tensão (que pode ser vista pelos fios mais grossos que passam pelos centros urbanos) chegue à um transformador.

É ele que abaixa a tensão, para atender esse público de consumidores. Assim, nesses casos, podem acontecer interferências da distribuidora para aumentar os transformadores.

Isso é feito para elevar a rede por conta de um cliente que eventualmente precisa se conectar na mesma região.

Saiba mais:

Classificação da NR10: tudo o que você precisa saber

Segurança em instalações elétricas é realmente necessária?

O que a NR 10 diz sobre aterramento?