Laudo de Insalubridade

O Laudo de Insalubridade é Obrigatório

A elaboração do Laudo de Insalubridade cumpre determinação das Normas Regulamentadoras NR-15 e Decreto 93.412 de 14/10/86, respectivamente.

Quem pode elaborar o Laudo de Insalubridade

Os quais devem ser elaborados por profissional devidamente habilitado e registrado no respectivo conselho de classe, normalmente engenheiro de segurança e médico do trabalho.

Quem têm direito ao Adicional de Insalubridade

(Temos um artigo completo sobre esse assunto em nosso blog, clique aqui e confira)

Como a legislação estabelece quais os agentes considerados nocivos à saúde, não será suficiente somente o laudo pericial para que o empregado tenha direito ao respectivo adicional.

É preciso que a atividade apontada pelo laudo pericial como insalubre esteja prevista na relação oficial elaborada pelo Ministério do Trabalho, tal como definido pela NR-15.

Qual o valor do Adicional de Insalubridade

O exercício de trabalho em condições de insalubridade, de acordo com a Norma Regulamentadora NR-15 do Ministério do Trabalho, assegura ao trabalhador a percepção de adicional, incidente sobre o salário mínimo nacional.

Os valores variam entre o equivalente a:

O pagamento do adicional de insalubridade não exime o empregador de implantar medidas que possam neutralizar e até eliminar os agentes insalubres.

Gestão e eliminação da Insalubridade

A eliminação, através de medida de proteção coletiva, do agente ambiental comprovada através de avaliação pericial permitirá a cessação do pagamento do adicional de insalubridade.

Para que haja monitoramento do grau de insalubridade dos ambientes, faz-se necessária uma revisão anual dos respectivos laudos.

NR-15 Atividade e Operações Insalubres

Veja a NR-15 na integra, clique aqui.

A NR-15 determina que consideradas atividades ou operações insalubres as que se desenvolvem:

Anexos:

O que é limite de tolerância

Segundo a NR-15:

Entende-se por “Limite de Tolerância”, para os fins desta Norma, a concentração ou intensidade máxima ou mínima, relacionada com a natureza e o tempo de exposição ao agente, que não causará dano à saúde do trabalhador, durante a sua vida laboral.