A importância de falar e escrever bem no trabalho.

portugeus 1Quem trabalha na área de segurança do trabalho tem que utilizar muito do recurso verbal e escrito. E como todo recurso, devemos utilizá-lo da forma correta.

Falo por experiência própria. Trabalho nessa área desde 2009 (pouco tempo), mas, empresas por onde passei, era de costume que meus relatórios chegassem até a diretoria. No começo, com pouca experiência em grandes empresas, tive que abandonar meu dialeto repleto de gírias regionais para não fazer feio na frente de meus avaliadores. Destaquei-me entre meus colegas por causa disso.

 

“Além de impactar no entendimento de uma ordem, no fechamento de um contrato ou no entendimento de um relatório, o uso incorreto da língua traz prejuízos para a imagem da organização. Quem lê algo escrito errado imagina que a empresa é descuidada com a sua comunicação, e descuida também ao permitir que alguém que escreva errado seja contratado. Se a pessoa exercer um cargo gerencial, então, é pior ainda”

 

Alguns erros não costumam ser perdoados. Acredite, mesmo parecendo que são, não são!

 

Não precisamos ter um vocabulário com palavras de difícil entendimento, mas que pelo menos que coloquemos as vírgulas, os acentos e os pontos nos locais corretos.

 

Devemos redigir textos que sejam entendidos na primeira leitura e até no modo de falar devemos prestar atenção, pois nossos superiores hierárquicos podem querer que ministremos palestras ou treinamentos e eles não querem ser representados, de forma alguma, por alguém que fale “você estar certo”, “para mim fazer”, “seje”, “agente” e “pobrema”.

 

Quem está presenciando uma palestra percebe quando ouve um erro no falar, ou pior, quando vê um erro de escrita em um slide de apresentação. Na verdade não só percebe, mas também em muitos casos irá criticar a pessoa na primeira oportunidade.

Os erros mais comuns que encontramos são: conjugação dos verbos e ausência de pontuação (ponto, vírgula e interrogação), além dos erros de letras trocadas.

 

O uso do idioma é seu cartão de visita. Devemos entender que nossos relatórios e-mails, textos e nossas palestras vão nos marcar, seja de forma positiva ou negativa. Podemos entender que esse defeito é oriundo da má qualidade das instituições de ensino no nosso país. Esse não é motivo para pararmos no tempo ou não buscarmos nossa melhoria.

Leia artigos técnicos da sua área, textos de professores. Adquira uma linguagem profissional ou pelo menos adequada ao seu meio de vivência. Faça uma auto-avaliação, e busque ajuda se necessário.

Leia mais livros, jornais e ouça os meios de informação disponíveis. Até filmes legendados e músicas (de boa qualidade) podem ser úteis.

 

Na internet não se encontra só entretenimento. Existem blogs e até páginas no Facebook que podem nos ajudar. Mas, acima de tudo, analise e perceba como seus supervisores, gerentes e diretores escrevem. Tudo depende prioritariamente de uma análise autocrítica. Aí sim, começamos a mudança!

Esse texto foi escrito com preocupação e intenção de ajudar. Desejo o sucesso e a melhoria todos os colegas da área de segurança do trabalho e outros que sentirem afinidade por ela.

AUTOR

Gabriel H. B. Behrens. Morador de Salvador, Bahia. Tem 24 anos e é Técnico Segurança do Trabalho desde 2008.

Fonte: http://segurancadotrabalhonwn.com/a-importancia-de-falar-e-escrever-bem-no-trabalho/

Colaboração: Ana Paula Vaz – Unidade Itabira.

Rodrigo Oliver
Sou Engenheiro de Segurança do Trabalho e Higienista Ocupacional, daqueles que estão sempre falando de segurança, então a ideia é compartilhar com vocês as coisas que acredito e que têm possibilitado um grande sucesso na nossa empresa. Aqui são dezenas de pessoas trabalhando para encontrar a solução mais incrível na redução dos acidentes de trabalho e das doenças ocupacionais.